quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

CINEMA


Imagem: Google
Meu início de ano não poderia ter começado melhor, tive algumas notícias boas e ontem vi o filme que tanto eu queria assistir à um tempão, mas que devido a esta mesma falta de tempo e imprevistos não pude ir quando estreou nos cinemas, mas aguardei ansiosamente que ocorresse uma retrospectiva para felizmente ter a oportunidade de conferir. Finalmente este dia chegou, assim nesta terça-feira tive o imenso prazer de ver “O Garoto de Liverpool”, eu fazia questão de assistir no cinema, na tela gigante e não na TV ou DVD, pois pra mim o cinema é insubstituível, nada se compara, nunca vai ser a mesma coisa testemunhar um filme fora da sala específica (claro que depois para rever o filme o DVD é fundamental) mas pela primeira vez tem que ser à moda antiga. Estava tão perfeito que até o ar condicionado não estava gelado, pois algumas salas de cinema o ar condicionado é tão congelante que se tem a sensação que se esta em um freezer, algumas vezes é necessário até levar um casaco de tão frio (principalmente nas salas dos shoppings). Este filme está entre a série de filmes e documentários que a Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS está exibindo na Mostra de Cinema e Rock na Sala Redenção – Cinema Universitário. Os filmes passaram em dezembro, com opções de dois horários e agora estão novamente sendo projetados com os horários invertidos, já que não pude assistir no mês passado não podia perder esta oportunidade. Mesmo para quem não é fã, é uma maneira de apreciar um pouco mais da história do Rock. O Garoto de Liverpool além de revelar a história de vida John Lennon: da infância e adolescência, também é muito bom para pais e filhos pois se pode refletir sobre os conflitos  que acontecem frequentemente em famílias, tão comum na adolescência, por isso a agressividade que Lennon demonstrava é quase uma característica própria de alguns adolescentes, claro aqueles que tem uma personalidade mais explosiva e que ao mesmo tempo se revelam e deixam se transparecer sem máscaras. Achei o filme excelente, acho que deveriam até dar continuidade (ficou com gostinho de quero mais, acho que filme bom é assim, a gente sempre quer ver mais). Poderiam fazer uma sequência contando a fase após sua adolescência, a juventude, sua fase adulta, o auge dos BEATLES, a carreira solo e quando conheceu Yoko que se transformou em um homem mais calmo, tranquilo e menos agressivo. É uma história que emociona e pode levar as lágrimas os mais sensíveis já que tem uma cena extremamente comovente, é o tipo de filme que você sai do cinema com a sensação que a vida vale a pena ser vivida apesar de todas as dificuldades, mostrando as relações familiares, a influência que a mãe de John teve em sua vida, o quanto ela foi importante ao incentivar para o gosto da música e os seus tios transmitindo um suporte essencial de amor e afeto sólido em sua vida apesar dos conflitos inerentes a todo e qualquer ser humano independente de ser ou não um ídolo.

SINOPSE:

O Garoto de Liverpool

(Nowhere boy, Inglaterra , 2009, 97 min.) dir. Sam Taylor-Wood

O garoto de Liverpool é a cinebiografia que conta a história nunca antes vista sobre a infância de John Lennon, vocalista dos The Beatles, até o início da sua jornada para se tornar um ícone. O filme, que tem o nome inspirado pela música Nowhere Man, do álbum Rubber Soul´s, se foca na adolescência conturbada de Lennon.Para contar essa história, o roteiro se baseia no livro “Imagine: Crescendo com meu irmão John Lennon”, que foi escrito por sua meia-irmã Julia Baird.

Para quem é de Porto Alegre e quiser conferir os outros filmes da mostra é só ver as datas e horários no link:  

9 comentários:

  1. ahh, quero mto ver esse filme!
    beijos, querida!

    ResponderExcluir
  2. Que interessante, Bia. Eu não sabia deste filme, mas achei a história legal. E concordo que nada se compara com um filme assistido no cinema com aquele telão maravilhoso. beijos e linda noite.

    ResponderExcluir
  3. Oi Bia!
    Adorei a dica... gosto e bastante do estilo cinebriografia e documentários...
    Sobre o teu post fiquei suspirando pelos cinemas de antigamente; agora pra encontrar um tem-se de ir até os shopping's... gostava mesmo é dos cinemas de beira de rua...
    #coisa de velharia! rsrsrs
    Bjkas
    Mila

    ResponderExcluir
  4. Boa dica, Bia. Não sabia desse filme e me pareceu muito bom mesmo. bj

    ResponderExcluir
  5. Caramba esse filme deve ser muuito bom.
    Semana passada assisti uma entrevista com Kid vinil ele é o fera no rock Brasileiro. Até deu uma indicação de livro "Laranja Mecânica" fala sobre a "revolução" punk.
    E nem me fale de salas de cinema, realmente elas parece um freezer, e quando saímos sentimos o choque termico rs

    Bej

    ResponderExcluir
  6. Vi esse filme o ano passado e fiquei encantado com ele. Não sou fã dos Beatles, mas não precisa ser para amá-lo. É muito sobre juventude reprimida e tem uma ótima história também. Eu me encanto com tudo.
    http://nossa-caixa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Bia minha amiga, como vc tá? desculpe a demora em comentar o post, ando ainda na marcha lenta, rs, me recuperando... mas vou ficar cem por cento em breve, se Deus quiser!

    quero MTO ver esse filme! agora q li sua resenha, ainda mais. quero ver no cinema, q nem vc falou...nada subsititui aquela telona enorme e toda aquela magia né.

    é isso aí! bom dia pra vc, querida amiga!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei com muita vontade de vê-lo! agradeço

    ResponderExcluir
  9. Bia, fiquei com vontade de ver o filme, que coisa boa essa mostra, uma pena não termos isso por aqui, aproveite bem!

    Beijos

    ResponderExcluir